Empresários da indústria de materiais de construção seguem inseguros sobre estabilidade econômica

O Termômetro da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Construção (Abramat) apontou em agosto insegurança por parte dos empresários do setor em relação a estabilidade econômica, devido a ações políticas no País e a pretensão de investimento, que continuam inconsistentes.

No mercado interno, 38% das empresas consideram que as vendas de materiais de construção tiveram um “bom desempenho” neste mês, enquanto 46% classificou como “regular” e 16% como “ruim” e “muito ruim. Já no mercado externo 6% das empresas avaliaram o desempenho como “muito bom”, 50% “bom” e 44% “regular”.

Em agosto, 58% das empresas afirmaram ter pretensão de investimento nos próximos 12 meses, um crescimento de 1% em relação aos 57% de julho. Já a capacidade industrial atingiu 69%, uma queda de 2% ao mês anterior. No mesmo período do ano anterior esse número era de 66%.

Entre as empresas pesquisadas, apenas 8% estão otimistas sobre as ações do governo e com o setor da construção civil nos próximos 12 meses.

“Os números mostram uma melhoria no otimismo do empresariado para o mês de setembro. Porém é importante ressaltar que fatores como a expectativas sobre as ações do governo para o desenvolvimento do setor, ocupação da capacidade instalada e pretensões do empresariado em investir, ainda apresentam uma leitura de incerteza”, frisa o presidente da Abramat, Walter Cover.

Por Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb.

Veja também: