Avaliação da trabalhabilidade de argamassas de revestimento é aspecto crítico para a produtividade e desempenho

Estudos ligados ao desenvolvimento de métodos de ensaios mais significativos para a avaliação do comportamento no estado fresco das argamassas de revestimento, como o Squeeze flow, constituíram uma das principais linhas de pesquisa desenvolvida no Consórcio Setorial para Inovação Tecnológica em Revestimentos de Argamassa (Consitra).

Coordenado por pesquisadores do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica da USP e pela Associação Brasileira de Argamassas Industrializadas (Abai), além de contar com a participação de outras associações do setor, o Consitra reuniu esforços de pesquisa em diversos temas das argamassas, sendo a maior iniciativa de pesquisa nacional sobre o tema.

Avaliação da trabalhabilidade por Squeeze flow de diferentes argamassas de revestimento do mercado nacional, correlacionadas com a percepção dos pedreiros sobre a etapa de espalhamento e aperto. As amostras foram ensaiadas com velocidade de deslocamento de 0,1 mm/s. Dimensões: diâmetro = 101 mm; altura = 10 mm. Cardoso, F.A. Método de formulação de argamassas de revestimento baseado em distribuição granulométrica e comportamento reológico. São Paulo, 2009. Tese de Doutorado – Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica da USP

Uma descoberta foi a relação inequívoca entre o comportamento no estado fresco medido pelo método de Squeeze flow com a facilidade no desempeno e sarrafeamento das argamassas, além do desempenho no estado endurecido. A lógica básica desse método está no registro das cargas necessárias para o esmagamento de uma amostra em formato de “bolacha” de argamassa, simulando, assim, os esforços percebidos durante a regularização delas sobre superfícies como paredes e tetos.

Argamassas com comportamento inadequado na medida de Squeeze flow tendem a resultar em menor produtividade dos aplicadores e em aumento da presença de defeitos nas interfaces entre as argamassas e os substratos, o que resulta em menor aderência e, consequentemente, maior risco de desplacamento.

O sucesso dessa nova técnica foi concretizado por meio da elaboração da norma ABNT NBR 15839:2010 – Argamassa de Assentamento e Revestimento de Paredes e Tetos – Caracterização Reológica pelo Método de Squeeze flow, atualmente a única norma em nível internacional sobre o Squeeze flow para avaliação de argamassas.

Imagem de microscopia ótica realizada por Liz de Mello Zanchetta (Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica da USP). Destaque para os defeitos de interface que reduzem a área de contato efetiva entre a argamassa de revestimento e o chapisco aplicado com desempenadeira dentada
(a) Início do teste; (b) fim do teste
Configuração utilizada nos ensaios de Squeeze flow, conforme ABNT NBR 15839:2010

Veja também: