Comercialização de materiais de construção volta a recuar em agosto, aponta Abramat

A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) informou nesta quarta-feira (13) que as vendas de materiais de construção caíram 2,9% em agosto na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Em 12 meses há uma redução de 7,8% e, no acumulado no ano, de 6,1%.

A taxa de emprego no setor também diminuiu em agosto sobre o mês anterior, com desempenho negativo de 0,2%. Na comparação com o mesmo período de 2016, a variação foi de -5,3%. O acumulado no ano também obteve variação negativa de 6,2%. Já em relação aos últimos 12 meses queda foi relativamente maior, com -6,7%.

“A queda de vendas de materiais de base é um pouco maior do que a dos materiais de acabamento refletindo a redução das obras de infraestrutura e novas edificações. Muito por conta do desemprego, que faz com que as famílias posterguem decisões que envolvem compromissos financeiros de longa duração”, disse o presidente da Abramat, Walter Cover. “A crise política ainda está presente, a queda da inflação, fruto principalmente da redução da demanda, permite uma melhoria da renda real das famílias e ajuda o consumo inclusive de materiais de construção”, acrescentou.

Apesar dos resultados ruins, o faturamento total das vendas dos materiais de construção cresceu 6,2% ante julho de 2017. De acordo com a Abramat, a trajetória recente desse indicador é de recuperação e as projeções indicam continuidade dessa tendência.

No ano, a associação prevê uma redução do mercado entre 5% e 6%.

Por Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb.

Veja também: