Editorial: enfim, a roda voltou a girar

Marília Muylaert

Esqueça a realidade que vivemos entre 2010 e 2013. Dificilmente, pelo menos em um futuro próximo, voltaremos a assistir a um fenômeno parecido com aquele que o setor experimentou na última década. Mas é fato que a curva de retração já se inverteu. Pelo menos é o que os números indicam. Foi este o tom da 14ª edição da Convenção Secovi, realizada na sede do Sindicato da Habitação, na capital paulista, nos dias 26, 27 e 28 de agosto. Com o mote “Virando a Página”, em cada explanação dos vice-presidentes da entidade comprovou-se a retomada do setor, embora em níveis ainda muito tímidos. “Em junho deste ano as coisas pararam de piorar graças à queda de juros e da inflação e à recuperação gradativa dos investidores. Isso tudo, somado a uma análise mais apurada do mercado pelos investidores estrangeiros, é sinal de retomada”, afirmou Rolando Mifano, vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação, do Secovi-SP.

A capa desta edição é uma balanço positivo da NBR 15.575, a chamada Norma de Desempenho. A legislação implementada em 2013 está há quatro anos em vigor e revolucionou, sem precedentes, a qualidade da construção no Brasil. A matéria especial escrita a quatro mãos, dada a complexidade do assunto, apresenta um apanhado geral dos avanços obtidos no setor a partir dessa legislação. O head desta empreitada, Fabio Villas Bôas, conselheiro da Construção Mercado, está à frente da revisão pela qual a norma passará em breve. Antecipamos aqui alguns dos itens que deverão sofrer alterações. É fato que a norma entrou em vigor concomitantemente à desaceleração da economia e, por causa disso, teve seus efeitos benéficos postergados. No entanto, diante da tão esperada retomada do setor, que se apresenta como realidade principalmente em São Paulo, a NBR 15.575 mostrará seus resultados de forma ainda mais consistente nos novos empreendimentos.

“A capa desta edição é uma balanço positivo da NBR 15.575, a chamada Norma de Desempenho. A legislação implementada em 2013 está há quatro anos em vigor e revolucionou, sem precedentes, a qualidade da construção no Brasil.”

Veja também: