Alta do INCC-M acelera em novembro, mostra FGV

O Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou na última segunda-feira (27) que o Índice Nacional de Custo da Construção – Mercado (INCC-M) variou 0,28% em novembro na comparação com o mês anterior. A taxa é maior do que apresentada em outubro (0,19%).

A alta foi motivada principalmente pelo grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, que registrou subiu 0,61% em novembro. Dentro dele, o índice correspondente a Materiais e Equipamentos aumentou 0,75% (contra 0,54% em outubro), sendo que, dos seus quatro subgrupos componentes, três apresentaram acréscimo em suas taxas de variação – o destaque fica para materiais para estrutura, cuja taxa passou de 0,92% para 1,21%. A parcela relativa a Serviços, por sua vez, passou de 0,08% em outubro para 0,09% em novembro. Neste grupo, vale destacar a aceleração de refeição pronta no local de trabalho, cuja taxa passou de -0,17% para 0,48%.

Já o índice referente à Mão de Obra não registrou variação em novembro. No mês anterior, a taxa foi de -0,01%.

Seis capitais apresentaram aceleração em seus índices: Salvador (de 0,13% em outubro para 0,27% em novembro), Belo Horizonte (de 0,11% para 0,24%), Recife (de 0,24% para 0,48%), Rio de Janeiro (de 0,15% para 0,26%), Porto Alegre (de 0,08% para 0,26%) e São Paulo (de 0,25% para 0,32%). Em contrapartida, Brasília registrou desaceleração, passando de 0,24% para 0,08%.

No ano, o INCC-M acumula uma alta de 3,88%, com crescimento de 2,66% na parcela de Materiais, Equipamentos e Serviços e de 4,90% em mão de obra. Já em 12 meses as variações são de 4,26%, 2,81% e 5,48%, respectivamente.

O indicador é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.