FGV: confiança da construção tem alta pelo sexto mês consecutivo em novembro

Pela sexta vez consecutiva, o Índice de Confiança da Construção (ICST) registrou alta em novembro. A variação foi de 1,1 ponto sobre outubro e de 6,2 pontos em relação ao mesmo mês do ano passado, totalizando 79,1 pontos (dados ajustados sazonalmente). A pesquisa foi divulgada na última quarta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O crescimento foi motivado, segundo o estudo, principalmente pelo Índice da Situação Atual (ISA-CST), que variou três pontos – o maior aumento desde maio de 2014 (quatro pontos) – e chegou a 69,2 pontos. Dentro desse grupo, se destacou o indicador da situação atual da carteira de contratos, cuja alta foi de 4,2 pontos (67,8 pontos no total).

Houve melhora do cenário atual dos segmentos de Edificações, Obras de Infraestrutura e Serviços Especializados, que subiram 3,0, 2,8 e 1,5 pontos, respectivamente. “Assim, as empresas chegam com a percepção de que a situação corrente dos negócios teve uma ‘despiora’ ao longo do ano. O avanço não foi grande, o Índice de Situação Atual ainda se encontra distante de sua média histórica, mas estes resultados representam uma sinalização importante de melhora da atividade da construção nos últimos meses do ano, o que, por sua vez, traz perspectivas mais positivas para o setor em 2018”, acredita Ana Maria Castelo, Coordenadora de Projetos da Construção da FGV/IBRE.

Por outro lado, o Índice de Expectativas (IE-CST) recuou 0,8 ponto, atingindo 89,4 pontos. O resultado foi influenciado pelo indicador da demanda para os três meses seguintes, que caiu 2,1 pontos, para 88,2 pontos.

O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) do setor variou -1,6 ponto percentual, alcançando 63,8%. O NUCI de Mão de Obra e o de Máquinas e Equipamentos também apresentaram queda: 1,8 ponto percentual e 0,5 ponto percentual, respectivamente.

O ICST coletou informações de 691 empresas entre os dias 01 e 23 deste mês.

Veja também: