Varejo aquecido impulsiona construção e expansão de centros comerciais

Segundo indicador de atividade do varejo medido pela Serasa Experian, as vendas nominais em 2017 (desconsiderando a inflação) registraram um aumento de 5,6% em relação ao mesmo período de 2016. O desempenho, segundo a entidade, é o melhor desde 2011. De acordo com a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (ALSHOP), o movimento das lojas no Natal foi de R$ 51,2 bilhões, com crescimento de 6% nas vendas em relação à 2016. A recuperação efetiva do poder de compra dos brasileiros se reflete nos investimentos e em novos centros comerciais em todo o país. No ano, o aumento das vendas foi de 4%, fruto, em parte, da injeção de R$ 44 bilhões na economina com a liberaçãoo das contas inativas do FGTS e a redução da taxa básica de juros para a casa dos 7%. A ALSHOP registrou a inauguração de 12 novos shopping centers no Brasil, sendo cinco em capitais e sete no interior.

ParkShopping Canoas
Em 23 de novembro foi inaugurado o ParkShopping Canoas (RS). Com investimento de R$ 750 milhões, o centro comercial recebeu a maior arena de patinação no gelo do país, além de 264 lojas, sete salas de cinema e um centro de eventos para 1.200 pessoas, entre outras atrações.

A obra gerou 2.500 empregos diretos e,após a inauguração emprega mais de 3 mil a operação. Essa foi a maior oferta de emprego da região no último ano, sendo responsável por mais de 90% do banco de empregos da cidade de Canoas, no Rio Grande do Sul. “A Multiplan é uma das maiores geradoras de empregos do país. Temos mais de 80 mil trabalhadores em nossos shoppings e somos responsáveis por uma enorme geração de renda e impostos. Nunca deixamos de acreditar no Brasil. As crises vêm e vão e nós estamos sempre investindo. Porque acredito que nós empresários somos os responsáveis por incentivar a economia”, explica o presidente da Multiplan, José Isaac Peres.

Cerca de R$ 35 milhões foram investidos para as construções de vias, sinalizações, calçadas, subestações de energia e linha de transmissão no entorno do centro comercial. As obras vão desde o alargamento da BR-116 à duplicação da Avenida Farroupilha, em um total de 2,7 km de vias em uma área de 25 mil m². O ParkShopping Canoas possui um centro de eventos com gerador de energia dedicado e capacidade para 1.200 pessoas sentadas, que pode receber shows, espetáculos teatrais, festas, cerimônias, celebrações e convenções.

O shopping tem 264 lojas, com uma área construída de 136 mil m² e 48 mil m² de área bruta locável (ABL). São 2.600 vagas de estacionamento, das quais 1.500 cobertas, com sensores que indicam as vagas disponíveis.

Expansão do Shopping Metrô Itaquera
A Racional Engenharia foi responsável pela construção da nova área de expansão do Shopping Metrô Itaquera, na capital paulista, inaugurada em outubro de 2017, com cerca de 70.000 m².

Para a construção da expansão do Shopping Metrô Itaquera, foram implementados processos inovadores e com foco na sustentabilidade ambiental. Alguns deles contribuíram significativamente para a redução de resíduos, como a aplicação dos painéis da fachada, manufaturados fora do canteiro e montados na obra, e o reaproveitamento do material das demolições do antigo pavimento. Outro destaque foi com relação à redução de poluição sonora. Pensando na comunidade do entorno, o sistema de arrasamento das estacas das fundações foi realizado por meio de um equipamento que não emite som, em substituição aos marteletes, diminuindo significativamente o barulho deste processo.

Além disso, durante sua operação, o novo espaço também gera economia de energia. Isso é possível porque as luminárias da nova área receberam lâmpadas tipo LED, que são programadas para desligar de acordo com as necessidades de operação do empreendimento. “Tivemos vários desafios no projeto, mas também podemos destacar um de gestão uma vez que a execução da obra se deu com o shopping em operação, o que exigiu um planejamento detalhado envolvendo a segurança dos usuários e que garantisse a normalidade das operações dos lojistas. Conseguimos cumprir a obra sem acidentes, entregando previsibilidade de custos e tempo de execução”, destaca Adão Alves, gerente da obra.

Com a ampliação do shopping Metrô Itaquera, o complexo é composto por 150 novas lojas satélites e 7 lojas âncoras no centro de compras, além de mil novas vagas cobertas e 500 no estacionamento externo. A previsão é que haja um crescimento de 40% no fluxo de pessoas no local. Além do mix de lojas e serviços, o shopping vai gerar cerca de 2,5 mil novos empregos tanto funcionários para as novas lojas quanto os colaboradores que serão admitidos para a administração.

Venda de imóveis usados registra recuperação, mesmo diante da queda nas vendas

A redução dos descontos que os proprietários concedem sobre os preços originais de venda dos imóveis e a queda dos financiamentos bancários fizeram as vendas de imóveis usados caírem 8,42% na cidade de São Paulo – dados do mês de outubro de 2017 em comparação ao mês anterior –, segundo pesquisa feita com 303 imobiliárias da capital pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (CRECISP).

As imobiliárias venderam 71,26% do total em apartamentos e 28,74% em casas. 74,71% das vendas foram pagos à vista e os financiamentos tiveram participação de 24,14%. Houve ainda uma participação dos consórcios em 1,15% do total.

A redução dos descontos foi de 42,18% nos imóveis vendidos em bairros agrupados na Zona de Valor D (a média baixou de 13,3% em setembro para 7,69% em outubro); de 36,01% na Zona C (caiu de 15,05% para 9,63%); e de 8,91% na Zona B (reduziu-se de 9,88% para 9%). (veja tabela abaixo). Também contribuiu para o resultado negativo o aumento dos preços médios do metro quadrado dos imóveis vendidos pelas imobiliárias pesquisadas pelo CRECISP, que subiu 14,03% em relação a setembro.

“Diversos elementos combinados impuseram ao mercado de imóveis usados uma queda que, no entanto, não ofusca o bom resultado relativo que ele acumula esse ano”, afirma José Augusto Viana Neto, presidente do Conselho. Ele explica que o resultado é bom, mas relativo, “porque o saldo positivo de 134,77% acumulado de janeiro a outubro se dá sobre uma base enfraquecida pela recessão econômica que se estendeu por mais de dois anos.”

A comparação da situação do mercado em outubro último e em 2013, antes do início da crise econômica, mostra claramente esse estado de “anemia positiva” vivido pelo segmento de imóveis usados. O índice de vendas da capital em outubro de 2017 ficou em 0,2871. Em 2013, na média do ano, o índice marcou 0,3767. A comparação entre os números aponta uma queda de 23,78%.

NBR 10152 atualizada e aperfeiçoada

Após longo processo de estudos, debates, revisão e consultas públicas nacionais, que teve início na década de 90, a norma ABNT NBR 10152 Acústica – Níveis de Pressão Sonora em Ambientes Internos e Edificações foi publicada na versão 2017, no dia 24 de novembro, atualizada e aperfeiçoada.

Entre as novidades, a versão traz novos valores de referência para ambientes internos de uma edificação de acordo com o uso e apresenta valores de referência em RLAeq, RLASmax e RLNC para 48 ambientes, distribuídos em 10 diferentes categorias.

O processo de discussão e análise dos temas revistos teve a contribuição e participação da presidência, diretoria técnica e representantes de empresas associadas à ProAcústica (Associação Brasileira para a Qualidade Acústica). “A ProAcústica parabeniza todos os profissionais, instituições e seus representantes envolvidos neste longo processo de revisão e publicação desta importante norma para o setor”, comemora Davi Akkerman, vice presidente de atividades técnicas da associação.

Para Krisdany Cavalcante, coordenador da Comissão de Desempenho Acústico de Edificações (ABNT/CB-02/CE-02:135.01), entre as principais evoluções dos requisitos da norma estão as questões de instrumentação e calibração cujas normas passaram por duas importantes atualizações entre 1987 e 2017. “Isso aumenta a segurança na aplicação da norma, tanto para medição quanto para situações de projeto”.

Estruturas pré-fabricadas de concreto despontam no mercado nordestino

Um edifício de 14 andares em um dos bairros mais movimentados da capital pernambucana, um polo empresarial com ruas de difícil acesso e tráfego intenso. O empreendimento é a expansão do hospital Ilha do Leite, e foi erguido em apenas cinco meses pela T&A Pré-Fabricados. De acordo com o empreendedor, o tempo de construção do edifício foi reduzido em 30% devido à utilização do sistema pré-fabricado de concreto. A opção pelo método construtivo veio suprir algumas necessidades e prioridades do cliente. “A tecnologia nos permite ser mais assertivos em relação ao cumprimento e encurtamento do prazo das obras. Aliado a isso, também consideramos extremamente relevante o fato de a tecnologia contribuir para uma obra mais sustentável, com menos impacto ambiental, além da segurança e da qualidade”, disse João César Leão, diretor de Infraestrutura e Expansão do Hapvida.

Segundo Vitor Almeida, diretor da empresa, a antecipação da data de entrega significa um retorno financeiro mais rápido para o empreendedor, devido à possibilidade de início de faturamento. A estrutura do edifício conta com pilares, vigas, lajes e escadas produzidos em uma fábrica situada a 28 quilômetros de Recife, no município de Igarassu.

Balneário continua a atrair investidores

Localizada no litoral norte catarinense, Camboriú faz parte do ranking das 100 melhores cidades brasileiras para se investir e está entre as três eleitas com os mais altos índices de desenvolvimento social segundo levantamento feito pela consultoria Urban Systems. As oportunidades de negócios, a valorização de investimentos e a atração de público de alto padrão são reflexos da consolidação do balneário como centro de produtos e serviços triple A fomentado, principalmente, pelo mercado da construção civil.

Os lançamentos realizados por construtoras na cidade têm sido cada vez mais direcionados para as categorias de luxo e super luxo. “Localização privilegiada, qualidade de vida, belezas naturais além de um complexo mix de produtos e serviços de fácil acesso dentro da cidade e na região são alguns dos atrativos do Balneário Camboriú. Essas características, aliadas aos investimentos e inovações em projetos, processos construtivos e tecnologias aplicadas nos empreendimentos têm contribuído para a valorização do município e impulsionado todo o mercado”, avalia a presidente do Grupo Embraed, especializado no segmento de alto padrão, Tatiana Rosa Cequinel.

Consórcio de imóvel é estratégia para impulsionar vendas em 2018

Cada vez mais o brasileiro vem aderindo ao consórcio como meio para a aquisição de imóveis. Segundo dados da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC), de janeiro a outubro de 2017, 60,05 mil pessoas foram contempladas no Brasil e tiveram a oportunidade de adquirir um imóvel por meio de consórcio. Os dados da entidade apontam que o potencial de participação dessa modalidade na venda de imóveis já chegou ao índice de 29,1%. Isso indica que um a cada três imóveis financiados no país pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) e o Sistema de Consórcios foi adquirido por meio de consórcio.

PARTICIPAÇÃO NAS VENDAS
Um levantamento feito pela assessoria econômica da ABAC, com base em dados do Banco Central do Brasil relativos ao terceiro trimestre de 2017, apontou que as contemplações nos grupos de imóveis registraram uma média nacional de 29,1% no potencial de participação na venda desse tipo de bem. Esse índice é 11,3% superior aos 17,8% observados em igual período de 2009, o que mostra que a decisão pelo uso do Sistema de Consórcios aumentou consideravelmente ao longo dos anos.

Por região, a maior média está na Região Sul, com 36,9%, seguido pelo Sudeste (29,2%), Distrito Federal (25,2%), Centro-Oeste (23,3%), Nordeste (19,7%) e Norte (19,2%) no terceiro trimestre de 2017. Já no âmbito Estadual, o Paraná apresenta maior representatividade, com 43%, seguido do Rio Grande do Sul (35,6%), São Paulo e Minas Gerais empatados (30,7%), Santa Catarina (29,1%), Mato Grosso do Sul (28,7%) e Bahia (27,8%).

CRESCIMENTO
De janeiro a outubro de 2017, foram comercializadas 231,7 mil novas cotas de consórcios de imóveis, o que representa um aumento de 32,4% em relação às 175 mil novas cotas vendidas no período de janeiro a outubro de 2016. Já o volume de créditos comercializados apresentou um crescimento de 53,2% e passou de R$ 20,49 bilhões no período de janeiro a outubro de 2016 para R$ 31,39 bilhões no mesmo período deste ano. Nesse período, o Sistema de Consórcios disponibilizou R$ 6,02 bilhões em créditos para aquisição de imóveis. Além disso, 2.809 trabalhadores participantes do consórcio de imóveis utilizaram o saldo total ou parcial de suas contas do FGTS como lance ou complemento na aquisição de imóvel pronto ou em construção, amortização de saldo devedor, abatimento de parte de prestação ou liquidação de saldo devedor, o que ocasionou uma movimentação da ordem de R$ 112,722 milhões.

Mercado imobiliário do Grande ABC tem chamado a atenção de investidores

O mercado imobiliário do Grande ABC tem ensaiado recuperação, apresentando já no segundo semestre de 2017, bons resultados em vendas e lançamentos, principalmente nas cidades de Santo André, São Bernardo e São Caetano do Sul.

A hipótese para o aumento dos novos empreendimentos na região é a consolidação da tendência dos imóveis compactos. Segundo dados de pesquisa realizada pela imobiliária VivaReal, Santo André teve o maior número de lançamentos de imóveis de padrão compacto, comparado com as outras duas cidades.

Foram cerca de 82 empreendimentos e 5.386 unidades lançadas na cidade de Santo André e, cerca de 79,4% desses apartamentos medindo até 70m², com um ou dois dormitórios. Uma das empresas a investir nesse segmento é a incorporadora Braido Ceceli, que notou a demanda por imóveis mais enxutos. “Nós observamos o mercado e avaliamos que faltava esse tipo de apartamento nesta região, então decidimos levar esse projeto à diante, com alguns diferenciais para o nosso público”, afirma Amauri Ceceli, diretor executivo da empresa.

Em menos de dois meses cerca de 80% das unidades disponíveis já haviam sido vendidas, isso porque além do formato studio (com metragens menores e cômodos integrados), também possui o conceito de ambientes e objetos compartilhados.

Já em São Caetano, o que tem atraído investidores e compradores para a região, são os dados que a cidade reúne, dentre eles, o melhor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do país e o PIB per capita de R$ 102,7 mil (a média nacional é de R$ 30,4 mil).

O bom resultado faz subir o preço do metro quadrado da cidade. Em outubro de 2017, o mais caro entre as três cidades era o de São Caetano, valendo R$ 5.769. Em Santo André o valor era de R$ 4.762 e, em São Bernardo, de R$ 4.571.

Veja também:

Comunicado aos Assinantes PINI!

Clique aqui.