Como comprar balancins | Construção Mercado

Construção

Como comprar balancins

Especificação depende do tipo de serviço e da velocidade de execução desejada

Por Pâmela Reis
Edição 100 - Novembro/2009

fotos: Marcelo Scandaroli
Treinamento da equipe é fundamental para reduzir acidentes com o equipamento
O andaime suspenso, mais conhecido como balancim, é uma plataforma metálica ou de madeira, sustentada por cabos de aço, que se movimenta no sentido vertical com auxílio de guinchos. O equipamento é usado na execução de serviços na área externa de edifícios como revestimento, acabamento e pintura de fachadas; aplicação de esquadrias e vidros; limpeza e manutenção; instalação de prumadas externas, como a de gás; entre outros.

A decisão entre comprar ou locar o equipamento depende do fluxo de trabalho da construtora. Carlos Denadai, gerente de suprimentos da Construtora BKO, aponta a locação como a melhor opção e argumenta que "a compra só se viabiliza se a construtora tiver uma sequência considerável de serviços com as mesmas características, já que cada obra demanda equipamentos com especificações diferentes".

O engenheiro Marcos Figueiredo, gerente de obras da Schahin Engenharia, lembra que o custo de manutenção - geralmente terceirizada - também entra na conta da aquisição do andaime suspenso. "Devem ser considerados também os gastos com as equipes de produção enquanto são feitas as manutenções e reparos. Na locação, os custos com paralisações superiores a 48 horas podem ser compartilhados", complementa.

ESPECIFICAÇÕES

Existem três tipos principais de balancins: o mecânico leve, que pode ser movimentado por sistema de catraca ou por cabo passante e geralmente é usado para serviços de reparo, pintura e manutenção; o mecânico pesado, com dimensão e capacidade para carga maiores que o leve, empregado principalmente no revestimento externo; e o elétrico, que se movimenta por meio de motores. A especificação do modelo depende do tipo de serviço que será executado e da velocidade de movimentação necessária para atender aos prazos do cronograma.

Para alguns serviços como limpeza, ensaios, instalação de molduras e apliques nas fachadas, entre outros, uma velocidade de movimentação maior pode significar ganho de produtividade, justificando o uso do balancim elétrico. "Já no caso de revestimento externo em argamassa, é o tempo entre a mistura, aplicação e acabamento que condiciona o volume de serviço a ser executado, e não simplesmente a velocidade do equipamento", avalia Figueiredo.

COTAÇÕES DE PREÇOS E FORNECEDORES

Os fornecedores de balancim estão concentrados nos grandes centros urbanos, onde o número de obras com vários pavimentos é maior. É importante checar o histórico da empresa com relação ao cumprimento de prazos, capacidade de atendimento, experiência técnica da equipe e qualidade dos equipamentos. Segundo Figueiredo, nas atuais condições do mercado, a locação deve ser solicitada com três meses de antecedência, para garantir a disponibilidade do produto.

Como em todo aluguel de equipamento, é fundamental exigir a ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) da fabricação, da instalação - quando for o caso - e da manutenção. Contratar seguro, seja na modalidade individual, seja incluindo os equipamentos no seguro de riscos de engenharia da obra, é outra precaução essencial.

CUIDADOS NA INSTALAÇÃO

"A instalação do andaime suspenso deve ser feita por equipe qualificada sob supervisão e responsabilidade técnica de um profissional legalmente habilitado e obedecendo às especificações técnicas do fabricante", aconselha André Simões, gerente de segurança da BKO. No caso de balancim elétrico, antes da montagem é necessário verificar se as instalações elétricas do canteiro são compatíveis com o equipamento.

Além da manutenção periódica, que deve ser contratada pelo locatário, alguns cuidados no uso ajudam a conservar e obter melhor desempenho do balancim. "O ideal é que sejam definidas práticas rotineiras de avaliação e manutenção preventiva dos componentes. Processos como limpeza, lubrificação das peças e verificação periódica do sistema de movimentação e dos componentes de sustentação e fixação são práticas necessárias ao perfeito funcionamento do equipamento", avalia Marcos Figueiredo, da Schahin.

Para evitar que o equipamento fique parado devido à interferência de outras atividades, o planejamento do posicionamento e dos serviços executados com o balancim deve levar em conta outros sistemas construtivos da obra. Vale lembrar que o treinamento da equipe reduz riscos de acidente e danos ao equipamento.

LOGÍSTICA

Alguns fornecedores oferecem o serviço de transporte e montagem do equipamento, embora normalmente a instalação seja feita pela própria equipe da obra. No ato do recebimento é importante checar o estado geral de conservação das peças e confirmar o comprimento dos cabos e as condições dos componentes elétricos. O armazenamento, se necessário, deve ser feito em local seco, coberto e protegido de intempéries.

NORMAS TÉCNICAS
> NR 18.15 - Andaimes e Plataformas de Trabalho
> NBR 6494:90 - Segurança nos Andaimes

Checklist
>
A especificação do tipo de balancim depende do serviço que será executado e da velocidade de movimentação desejada.
>
É importante checar o histórico do fornecedor no cumprimento de prazos, capacidade de atendimento, experiência técnica da equipe e qualidade dos equipamentos.
>
Recomenda-se solicitar a locação com três meses de antecedência para garantir a disponibilidade do produto.
>
É fundamental exigir a ART do equipamento, da montagem e da manutenção e contratar seguro.
>
Além da manutenção periódica, deve-se definir práticas rotineiras de checagem dos componentes, limpeza e lubrificação.

 

fotos: Marcelo Scandaroli
Ronaldo Max Ertel, diretor de acesso da Alec (Associação Brasileira das Empresas Locadoras de Bens Móveis)
ENTREVISTA > Ronaldo Max Ertel

Uso seguro

Quais os cuidados práticos para garantir a segurança dos usuários de andaimes suspensos?

Em primeiro lugar, é fundamental o uso de equipamentos de proteção individual (EPI´s) como cinto de segurança com talabarte curto e cabo-vida. Depois que a obrigatoriedade do uso desses equipamentos foi determinada pelo CPR (Comitê Permanente Regional do Ministério do Trabalho), o índice de acidentes fatais foi drasticamente reduzido. Ainda assim, com a forte demanda atual do segmento, muitos funcionários não são treinados adequadamente para operar os balancins ou são contratados profissionais sem experiência, que aprendem na prática a melhor forma de usar o equipamento, aumentando os riscos.

O que vem sendo discutido nas reuniões do CPR?

Percebemos que, no segmento de locação, as empresas se especializaram em função das exigências da norma, ou seja, passaram a atuar em ramos mais específicos. Quem se especializou em cremalheiras, por exemplo, abriu mão dos balancins e gruas para focar nesse segmento de forma mais técnica. Com relação aos balancins, estão sendo discutidas formas de modernizar o equipamento e proporcionar mais segurança e ergonomia aos operários. A Alec também tem feito um trabalho junto aos locatários para que a montagem desses equipamentos seja feita por técnicos especializados e que haja treinamento adequado dos futuros operadores.

Houve uma tentativa de se eliminar o uso do balancim mecânico pesado?

Essa discussão sempre esteve em pauta, mas o mercado continua exigindo esse tipo de produto. O que temos feito é pensar em soluções para alguns problemas, por exemplo, a substituição do assoalho de madeira por um piso metálico, o que aumentaria a segurança.

 

Colaboraram:André Simões, gerente de segurança da BKO, Carlos Eduardo Denadai, gerente de suprimentos da BKO, Flávio Bruzzamolino, gerente geral de obras da BKO, Marcos Sarge Figueiredo, gerente de obras da Schahin Engenharia, Wanderley Renó Mendes, coordenador de QSMS da Schahin Engenharia e Ronaldo Max Ertel, diretor de acesso da Alec (Associação Brasileira das Empresas Locadoras de Bens Móveis)