Sinapi registra em julho maior aumento em 2017, mostra IBGE | Construção Mercado

Construção

Notícias

Sinapi registra em julho maior aumento em 2017, mostra IBGE

Variação de 0,58% foi motivada tanto pela parcela relativa a materiais, quanto a mão de obra

Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb
10/Agosto/2017
Marcelo Scandaroli

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), divulgado na última quarta-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), subiu 0,58% em julho, 0,20 pontos percentuais (p.p.) acima do resultado de junho, resultando na maior taxa em 2017. Nos últimos 12 meses, a variação chega a 4,25%, crescimento de 3,86% frente ao período anterior. Em julho de 2016, o indicador foi de 0,20%.

O custo nacional do metro quadrado encerrou o mês de julho em R$ 1.052,75, sendo que R$ 537,78 são relativos aos materiais e R$ 514,97 à mão de obra.

O índice iniciou o segundo semestre do ano em alta principalmente por conta da variação de 0,28% na parcela dos materiais, que havia variado 0,01% no mês anterior. Já a parcela relativa à mão de obra obteve elevação de 0,90% e, julho, comparada aos 0,78% de junho. Nos primeiros sete meses, acumulado foi de 1,25% e de 3,82% para os materiais e a mão de obra, respectivamente. Em 12 meses, o acumulado foi de 1,86% para os materiais e 6,91% para a mão de obra.

Em julho, a maior variação por região ficou na Sul (1,33%), seguida pelo Sudeste (0,92%), Centro-Oeste (0,23%), Nordeste (0,12%) e, por último, a região Norte, sendo a única com variação negativa (-0,18%). Os valores regionais, por metro quadrado, foram: R$ 1.053,04 (Norte); R$ 973,50 (Nordeste); R$ 1.103,17 (Sudeste); R$ 1.097,55 (Sul) e R$ 1.053,77 (Centro-Oeste).

Na análise por Estado, a maior alta foi no Rio de Janeiro (3,03%), devido ao reajuste salarial por meio de acordo, resultando em 4,47% e 1,41% relativos à mão de obra e a parcela dos materiais, respectivamente. Logo após está Mato Grosso do Sul (2,14%) e Rio Grande do Sul (1,85%), também por reajustes salariais, bem como os estados do Paraná (1,70%), Alagoas (1,65%), Espírito Santo (1,13%) e Tocantins (1,05%).

Para ver a pesquisa completa, clique aqui.