Standard & Poors também rebaixa rating da Odebrecht Engenharia e Construção | Construção Mercado

Negócios

Notícias

Standard & Poors também rebaixa rating da Odebrecht Engenharia e Construção

Empreiteira já havia recebido avaliação negativa pela Moodys e pela Fitch ainda em 2017

Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb
19/Abril/2017
Divulgação: Odebrecht

A Standard & Poors (S&P) Global Ratings rebaixou na última terça-feira (18) os ratings da Odebrecht Engenharia e Construção (OEC) de "B-" para "CCC+" em sua escala global e de "brB-/brC" para "brCCC+/brC" em escala nacional, ambas avaliadas como uma perspectiva negativa. O mesmo já havia sido pela agência de classificação de risco Fitch em janeiro (http://construcaomercado.pini.com.br/negocios-incorporacao-construcao/negocios/odebrecht-volta-a-ter-rating-rebaixado-pela-fitch-em-ambito-377167-1.aspx) e pela Moody's na semana passada (http://construcaomercado.pini.com.br/negocios-incorporacao-construcao/negocios/apos-revelacoes-contra-politicos-odebrecht-tem-rating-rebaixado-pela-moodys-377698-1.aspx).

"O rebaixamento dos ratings reflete a incerteza quanto à sustentabilidade da estrutura de capital da OEC no longo prazo na ausência de eventos de crédito positivos, incluindo uma rápida recuperação no ciclo de conversão de caixa e monetização de recebíveis em atraso; o recebimento de empréstimos concedidos a sua controladora, a Odebrecht S.A., no montante de U$$450 milhões; e uma recuperação das operações que permita à empresa recompor seu backlog", disse o relatório da S&P.

Há, ainda, detalhes envolvendo as investigações sobre a empreiteira. "As investigações de corrupção no âmbito da Lava Jato prejudicaram a reputação da OEC e, mesmo após fechar um acordo de leniência com as autoridades no Brasil, Estados Unidos e Suíça, a OEC tem tido dificuldades em encerrar as investigações iniciadas em outros países da América Latina. Além disso, o backlog deve se reduzir para cerca de US$ 17 bilhões ao fim de 2016, dada à exclusão de alguns projetos (principalmente o GSP), comparado a US$28,1 bilhões em 2015 e US$33,9 bilhões em 2014", aponta.

A expectativa é que após avaliações negativas, a empreiteira tome medidas proativas para sua reestruturação.