Comercialização de imóveis novos em São Paulo tem alta de 2,5% em abril, diz Secovi-SP | Construção Mercado

Negócios

Notícias

Comercialização de imóveis novos em São Paulo tem alta de 2,5% em abril, diz Secovi-SP

Lançamentos imobiliários também subiram 38% em relação ao mesmo mês de 2016

Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb
19/Junho/2017
Shutterstock

Pesquisa do Mercado Imobiliário realizada pelo Departamento de Economia e Estatística do Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP) registrou que a cidade de São Paulo vendeu 1.212 unidades residenciais novas em abril, uma queda de 1,7% em relação a março (1.233 unidade vendidas) e crescimento de 2,5% se comparado às 1.182 unidades comercializadas no mesmo mês de 2016. Em 12 meses, o acumulado foi de 3.865 unidades vendidas, número 4,3% menor se comparado ao mesmo período de 2016 (4.038 unidades).

Em abril, foram lançadas 959 unidades residenciais, um volume inferior de 38,3% em relação ao mês de março (1.555 unidades) e 38% superior a abril de 2016 (695 unidades) de acordo com a Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp). O primeiro quadrimestre de 2017 apresentou alta de 6,0% em relação aos lançamentos residenciais (2.745 unidades) se comparado ao mesmo período de 2016 (2.589 unidades).

Entre as tipologias, os imóveis com dois dormitórios continuam a apresentar a maior participação entre os lançamentos, com 45% do total. Os imóveis com três dormitórios representaram cerca de 38,5% dos lançamentos entre janeiro e abril, enquanto o acumulado no mesmo período de 2016 da tipologia foi inferior a 10%. Já os imóveis com um dormitório apresentaram queda de 22% no ano passado para 7% neste ano.

Os empresários do setor seguem otimistas devido as quedas consecutivas nos juros. "Adicionalmente, a redução na taxa Selic impacta e reduz os juros do crédito imobiliário, o que facilita a compra de imóveis, uma vez que as prestações ficarão mais baixas, bem como serão menores as exigências de comprovação de renda pelos bancos", comentou Flávio Prando, vice-presidente de Intermediação Imobiliária e Marketing do Secovi-SP, que complementou. "Outra boa notícia, que poderá tornar todo esse movimento consistente, é a continuidade do crescimento do saldo da poupança que, no mês de maio, pela primeira vez, teve volume de entrada maior que o de saída".

O Valor Global de Vendas (VGV) em abril foi de R$ 709,3 milhões, atingindo queda de 4% do volume de março (R$ 738,5 milhões) e crescimento de 26% se comparado ao mesmo período de 2016 (R$ 563,1 milhões), de acordo com os valores registrados pelo Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-DI) de abril deste ano.

Já o índice correspondente as Vendas sobre Oferta (VSO) registrou em abril 5,1%, mantendo estabilidade a março e alta de 13,3% em relação a abril do ano anterior (4,5%).

A oferta de imóveis na capital paulista encerrou o mês de abril com 22.528 unidades disponíveis, considerando imóveis na planta, em construção e prontos (estoque) no período de 36 meses. Esse número é 2,7% menor em relação a março e 9,7% menor se comparado a abril de 2016 (24.961 unidades).

Neste mês, os imóveis com dois dormitórios foram os que apresentaram a maior comercialização entre lançamentos (447 unidades) e vendas (536 unidades) em São Paulo. A tipologia com três dormitórios apresentou desempenho de 5,9%, totalizando a venda de 329 unidades divididas pela a oferta total de 5.588 unidades. Os imóveis com quatro dormitórios foram o que apresentaram o menor volume de oferta final, com 1.360 unidades disponíveis.

Na comparação por área útil, os imóveis com menos de 45m² foram os que apresentaram maior número de vendas e lançamentos, com 493 unidade e 542 unidades, respectivamente. Imóveis com área útil entre 86m² e 130m² foram o que apresentaram o maior VSO (7,9%), com venda de 221 unidades em relação à oferta de 2.797 unidades. Nas vendas, a oferta maior foi para os imóveis entre 45 m² e 65 m² com 8.261 unidades disponíveis e participação de 36,7% do total.

Os imóveis com valor de até R$ 240.000 lideraram os lançamentos (480 unidades) e as vendas (437 unidades), além de apresentar o maior VSO (17,2%). Entre os imóveis os que exibiram maior quantidade de oferta (9.995 unidades) foram os na faixa de preço entre R$ 240.001 e R$ 500.000, com 44,4% do total.

Entre as zonas da cidade, o Centro foi o que apresentou o maior VSP (9,1%) e também maior quantidade de lançamento e vendas, com 646 unidades e 406 unidades, respectivamente. A oferta maior foi na zona Sul de São Paulo com 6.310 unidades disponíveis para venda, representando 28% do total.