Vendas de materiais de construção acumulam queda de 7% até maio, mostra Abramat | Construção Mercado

Negócios

Notícias

Vendas de materiais de construção acumulam queda de 7% até maio, mostra Abramat

Ainda assim, comercializações cresceram 8,8% no quinto mês do ano em relação a abril

Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb
19/Junho/2017
Marcelo Scandaroli

A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Construção (Abramat) informou na última semana que as vendas de materiais de construção apresentaram queda de 6,6% em maio na comparação ao mesmo período do ano passado. Nos últimos 12 meses, a retração é de 8,9% e no acumulado de 2017, de -7%. O resultado foi influenciado, segundo a pesquisa, pelo alto índice de desemprego, a dificuldade de acesso ao crédito e a crise política vigente no País.

Apesar do resultado ruim na base de comparação anual, o quinto mês de 2017 registrou crescimento de 8,8% nas comercializações do setor em relação a abril. A Abramat disse que o crescimento aconteceu devido ao número maior de dias úteis no período.

"Embora o varejo de materiais apresente um crescimento nesses primeiros meses do ano, os segmentos do imobiliário e da infraestrutura continuam com queda expressiva nas vendas por conta da instabilidade política e de fatores como desemprego e política de juros pouco atrativa. Nossa expectativa mais otimista é de um início de recuperação nesses segmentos (imobiliário e infraestrutura) a partir do segundo semestre", comentou o presidente da Abramat, Walter Cover.

Por segmentação, o faturamento referente às vendas dos materiais de base e acabamento encerrou o mês de maio com variação de -6% e de -7,5%, respectivamente, comparado a maio de 2016. O acumulado em 12 meses ficou em -7,1% para base e -6,9% para acabamento.

O emprego na indústria de materiais de construção, por fim, apresentou em maio queda de 5,4% se comparado ao mesmo mês do ano anterior e recuo de 7,9% no acumulo dos últimos 12 meses.

"Enxergamos um cenário pouco mais animador, na qual as projeções apontam para uma estabilidade ainda este ano. Claro, dependendo de fatores como emprego e estabilidade política, por exemplo", acredita Cover.