Editorial: quão fundo é o poço?

Há cerca de um ano, empresários de diversos setores afirmavam ter a expectativa de que os ajustes fiscais seriam colocados em prática pelo Governo Federal ao longo de 2015, abrindo espaço para uma possível retomada do crescimento em 2016. Essa expectativa, lamentavelmente, não se confirmou. Pelo contrário: todos já se preparam para mais um período duro.

O Produto Interno Bruto (PIB) nacional da construção deve cair 5% em 2016, segundo projeção calculada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV). É importante ponderar, porém, que o ano começa com indefinições no Congresso e na implementação das adequações capazes de recolocar o País nos trilhos. Por ora, não há sinais de que a condução política e econômica será normalizada rapidamente, o que torna ainda mais incerta a profundidade do poço. Já chegamos ao fundo ou falta muito?

“Não há sinais de que a condução política e econômica será normalizada rapidamente, o que torna ainda mais incerta a profundidade do poço. Já chegamos ao fundo ou falta muito?”

Diante desse ambiente tumultuado, a revista Construção Mercado traz uma reportagem especial para ajudar os leitores a entender melhor os rumos do mercado imobiliário em 2016. A matéria apresenta avaliações de líderes empresariais, economistas e analistas sobre as tendências de negócios. Além disso, mostra as medidas de contingência adotadas pelas principais incorporadoras do País para atravessar a crise. A experiência delas ressalta que o momento exige disciplina de empresários para aprofundar a busca por geração de caixa e assertividade em novos projetos. A revista traz também, na seção Entrevista do Mês, o diretor de Habitação da Caixa Econômica Federal, Teotônio Rezende. Na conversa, ele antecipa quais são os planos do banco para aliviar a escassez de funding no mercado. A edição de janeiro também apresenta novidades legais e normativas. Uma das reportagens detalha os novos gabaritos impostos pela Portaria no 957/2015, do Comando da Aeronáutica, e seus efeitos em diferentes cidades; e outra matéria apresenta o guia recémlançado pelo Ministério das Cidades que esclarece especificações da Norma de Desempenho para habitação social. Boa leitura.

Circe Bonatelli
editor

Veja também: