Impermeabilizantes rígidos se destacam por bom desempenho e fácil aplicação em radier protendido

Uma das vulnerabilidades recorrentes nos projetos de habitação popular é a ausência de impermeabilização das fundações. A não realização do serviço ou sua execução inadequada podem acarretar percolação de água do solo na estrutura, e a umidade pode se espalhar pela alvenaria, pilares e pisos, causando manchas e mofo. O cuidado com a estanqueidade, por outro lado, é chave para evitar manifestações patológicas que abreviam a vida útil das estruturas, impedem o uso pleno das edificações, geram custos adicionais e desvalorizam os imóveis.

O radier protendido, recomendado para edificações de até dez pavimentos, facilita os serviços de impermeabilização porque é menos suscetível ao aparecimento de trincas durante a cura do concreto. Assim, a aplicação de impermeabilizantes rígidos garante, em boa medida, a estanqueidade e o controle de fissuras na estrutura – as poucas patologias que surgem podem ser contornadas com um baixo custo.

Os impermeabilizantes rígidos são vendidos como argamassas industrializadas, produtos bicomponentes ou como aditivos químicos para argamassa ou concreto. Eles incorporam-se à estrutura protegida e, com uma cura adequada, apresentam baixa porosidade e grande estanqueidade. Podem ser encontrados, ainda, em forma de pinturas que formam um revestimento impermeável.

Os produtos industrializados podem ser aplicados após a cura do concreto, sobre o substrato úmido, e têm a vantagem de dispensar uma camada de proteção mecânica antes do revestimento, conforme explica a engenheira Maria Amélia Silveira, consultora técnica do Instituto Brasileiro de Impermeabilização.

O serviço de impermeabilização das fundações deve seguir orientações de projeto e respeitar as normas técnicas, entre as quais se destacam a NBR 15.575: 2013 – Edificações Habitacionais – Desempenho, a NBR 9.574: 2008 – Execução de Impermeabilização e a NBR 9.575: 2010 – Impermeabilização – Seleção e Projeto. Já as normas NBR 11.905: 2015 – Argamassa Polimérica Industrializada para Impermeabilização e a NBR 16.072: 2012 – Argamassa Impermeável são referenciais técnicos sobre os produtos.

Veja os principais passos da impermeabilização de um radier protendido, com uso de impermeabilizantes rígidos:

ILUSTRAÇÃO: DANIEL BENEVENTI

ARGAMASSA POLIMÉRICA BICOMPONENTE

1. Limpeza
Antes da impermeabilização com argamassa polimérica bicomponente, é fundamental a lavagem da fundação com hidrojato ou, se possível, jato de areia. A medida é necessária para evitar que haja interferências na aderência do produto impermeabilizante. Siqueira Filho explica também que é importante umidificar a área que receberá o produto, sem deixar uma lâmina d’água superficial porque, nos materiais cristalizantes, a água percolada adere-se aos componentes finos, fixando-os melhor. A lâmina de água, no entanto, lava a superfície e dilui o produto, dificultando a aderência.

2. Aplicação
A aplicação do impermeabilizante deve ser feita logo após a limpeza e a umidificação do radier para evitar que poeira se assente sobre o local. A preparação da argamassa, que deve seguir orientações do fabricante, exige apenas a mistura da emulsão de polímeros (o componente líquido) com o componente em pó e, em seguida, a homogeneização da solução. O produto deve ser aplicado na fundação em demãos, com uma trincha larga. A quantidade de demãos deve respeitar o indicado no projeto executivo, e o serviço deve ser fiscalizado por um profissional especializado.

3. Avaliação
No caso de fundações do tipo radier, a eficácia da execução pode ser comprovada visualmente. A área tratada não deve apresentar manchas de umidade. No caso de constatação de mancha de umidade, uma das opções é abrir a área para verificar se há falta de concreto no local, uma patologia razoavelmente comum. Após a retirada do concreto e constatação do problema, é preciso voltar a preencher a área com concreto ou graute e depois tornar a cristalizar a área.

ADITIVOS E CRISTALIZANTES NO CONCRETO

4. Realização
Quando a construtora prefere usar aditivos cristalizantes, o serviço é iniciado ainda na fase de execução do radier protendido. Para realizar a aditivação do concreto, é preciso diluir o cristalizante de acordo com as orientações do fabricante e lançar o produto no caminhão betoneira dez minutos antes da concretagem.

5. Tratamento
O tratamento das fissuras deve ser feito com aplicação de argamassa polimérica bicomponente depois da cura do concreto e da lavagem da área. A injeção do impermeabilizante deve ser feita de acordo com a indicação do fabricante ou do tecnologista de concreto. A pressão mecânica é suficiente para fazer o preenchimento. O tamanho da fissura, o tipo de uso, o tipo de concreto são fatores que interferem no tratamento. Sempre é preciso consultar um especialista em impermeabilização para definir o produto mais adequado em cada caso.

Por Marina Pita

Veja também: