Em off: bastidores da construção

Esvaziado
A data do 88º Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), realizado entre os dias 11 e 13 de maio, coincidiu com a aprovação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado e a posse do vice, Michel Temer. Por conta disso, o evento, realizado em Foz do Iguaçu (PR), ficou esvaziado de representantes do Governo Federal. “Como eles poderiam estar aqui se não sabiam sequer se teriam seus empregos”, comentou um dos organizadores do evento.

Aproximação
Após a indicação do deputado federal Bruno Araújo (PSDB-PE) para assumir o Ministério das Cidades, representantes da construção já se articulam para iniciar uma aproximação. O parlamentar é advogado, está em seu segundo mandato no Congresso e é pouco conhecido dos empresários das regiões Sudeste e Sul. Por outro lado, Araújo ganhou fama nacional por ter o 342o voto na Câmara durante a apreciação do impeachment, selando a aprovação do processo na Casa.

Prometeu, mas não cumpriu
A indústria de aquecedores solares se ressente da paralisação de novas contratações de moradias na faixa 1 do Minha Casa Minha Vida, segmento em que os equipamentos são obrigatórios. Para piorar o quadro, a terceira etapa do programa torna opcional a instalação dos aquecedores no Norte e no Nordeste. “Isso foi garantido. O presidente Lula me disse pessoalmente, na época, que não teríamos problemas. Aí vem uma trombada dessas”, reclama um empresário do setor.

BATE-ESTACA

Sem prazo
A conclusão do processo de etiquetagem dos equipamentos de aquecimento solar, que passará a ser obrigatória, deve continuar em compasso de espera no Inmetro, apesar dos prazos legais já terem estourado. Com o impeachment da presidente Dilma Rousseff, todos os órgãos públicos passarão por mudanças em suas diretorias. “Isso é um passo atrás para as empresas que fizeram os investimentos para melhorar a qualidade dos produtos”, diz um executivo da indústria.

Bem aí? 
A ideia de construir imóveis populares sobre linhas metroviárias, defendida pelo Governo de São Paulo na PPP da Habitação, não agradou nem um pouco um representante do setor de esquadrias. Durante palestra do secretário-executivo da PPP da Habitação, João Octaviano, em um evento paralelo à Feicon Batimat, o executivo da indústria aproveitou o momento de perguntas para reclamar. Segundo ele, há espaço nas cidades, e os empreendimentos deveriam ser lançados bem longe dos trilhos.

Desempenho 
A norma de desempenho é uma das principais preocupações de empresários e fornecedores diante da proposta paulista. No entanto, Octaviano se mostrou confiante na capacidade de inovação da indústria brasileira. Ele ressaltou, em sua apresentação, que construções no espaço aéreo de trilhos e estações já foram realizadas no exterior, como é o caso do bairro Paris Rive Gauche, na França.

Vale tudo 
O esfriamento do setor parece ter incentivado a criatividade dos fornecedores de materiais e sistemas na última edição da Feicon Batimat. Além da tradicional “ducha sensual” , promovida por uma grande fabricante de chuveiros, este ano uma fornecedora colocou um homem com gigantismo para chamar a atenção em frente a seu estande. Outra empresa escalou uma modelo fantasiada de sereia para tirar fotos com visitantes. Será que deu certo?

Veja também: