Em off: bastidores da construção

Voto 342

O atual ministro das Cidades, Bruno Araújo, foi bastante aplaudido durante encontro com empresários da indústria da construção na capital paulista, em julho, diante da recordação de sua participação na votação do impeachment na Câmara. Foi dele o voto de número 342, que decidiu pelo prosseguimento do processo contra a então presidente Dilma Rousseff para o Senado.

Fim dos distratos?
No quesito distratos alguns empresários acreditam que o pior já passou. Segundo empresários do setor, o momento mais crítico foi registrado entre outubro de 2015 e abril de 2016. Os mais otimistas apostam na retomada dos lançamentos ainda este ano.

Há controvérsias…
Os conservadores, por sua vez, reconhecem que houve uma melhora tímida no índice de devolução de unidades, mas não o suficiente para classificá-la como tendência.

BATE-ESTACA

Una parola
Empresas italianas do setor têm demonstrado grande interesse por grupos brasileiros, sejam construtoras, fornecedoras de serviços, equipamentos ou materiais, para investir em parcerias. Segundo fontes, um evento de aproximação entre empresários dos dois países deve ser agendado antes do fim de setembro. “A expectativa entre os estrangeiros é grande, visto que o Brasil ainda está barato e as oportunidades são muitas”, acrescentou a fonte.

Sem líder
Embora não veja sentido na discussão de uma possível candidatura de Michel Temer à presidência em 2018, um executivo da construção chamou a atenção para a falta de opções de peso no cenário político. “Passamos por um processo de esvaziamento de lideranças políticas, muito profundo e intenso.”

Além do horizonte
Mesmo satisfeito com a excelente interlocução no Governo Federal e a tão esperada retomada das obras paralisadas na faixa 1 do Minha Casa Minha Vida, ainda paira no ar uma forte preocupação com relação ao futuro político do País. “Nossos investimentos são de longo prazo e ainda não temos um horizonte. Quem estará no poder em 2018? Não fazemos nem ideia. Eles estão fazendo o que tem que ser feito, mas o futuro a Deus pertence”, afirmou uma fonte do setor.

Veja também: