Imobiliárias investem no mobile para atrair público

A Zap Imóveis lançou aplicativo que estima preços para compra ou locação de imóveis em até 24 horas. O app estima os valores para precificar um imóvel, seja para venda ou locação. O cálculo é feito de acordo com as características informadas pelos usuários, num banco de dados colaborativo alimentado pela audiência.

O Quanto Vale a princípio funcionará apenas nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Para ter acesso, o usuário preenche um formulário e recebe um e-mail com um relatório da busca em PDF. Esse documento mostra, além da estimativa, uma comparação com imóveis parecidos na mesma região. O valor do serviço é de R$ 79,90. Nesta mesma direção, o VivaReal lançou nova versão de seu app mobile gratuito para iOS e Android. O app VivaReal também vai permitir que o usuário cadastre pontos de interesse personalizados, como local de trabalho, residência atual, escola dos filhos ou quaisquer outros endereços relevantes para o usuário.

Essas novidades, bem utilizadas por profissionais do mercado, potencializam as chances de negócio. Pesquisas realizadas pelo VivaReal mostram que metade das pessoas que buscam imóveis procuram via mobile. A localização é um dos fatores que consideram mais relevantes para a escolha. Perde apenas para o preço. Imóveis com o endereço completo geram 83% mais contatos.

Menos recursos em 2017 para o Minha Casa, Minha Vida
O governo Michel Temer reservou R$ 7,2 bilhões para investimentos em moradia para baixa renda no ano que vem, o que representa redução de quase 9% em relação aos R$ 7,9 bilhões programados para 2016. Para 2017, está prevista a contratação de 540 mil moradias. As informações são do jornal Valor Econômico.

Além da previsão do Orçamento-Geral da União, o Minha Casa, Minha Vida vai contar, também, com R$ 48,5 bilhões de financiamento do FGTS e R$ 9 bilhões de subsídios do Fundo, totalizando, assim, R$ 64,7 bilhões.

Temer afirmou que a retomada das obras do Minha Casa, Minha Vida será fundamental para que o país conquiste avanços sociais em diferentes frentes. Para o Presidente, a área da construção civil é onde mais se verifica a possibilidade de difusão do emprego.

CURTAS
Mercado imobiliário deve voltar a crescer em 2017

Entre 2015 e 2016, o mercado imobiliário, impactado diretamente pelo cenário instável da economia e da política, viveu momento de incertezas. Os sinais de melhora para o setor virão em 2017 com a desaceleração da inflação, que caiu de 10,7% em 2015 para, aproximadamente, 7,2% em 2016. O Banco Central prevê inflação abaixo da meta de 4,5% no próximo ano. Outro fator, ainda de acordo com a previsão do mercado financeiro, é a estimativa na queda da taxa de juros para 11%. Em 19 de outubro deste ano, pela primeira vez em quatro anos, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu, por unanimidade, reduzir em 0,25 ponto percentual a Selic, a taxa básica de juros, de 14,25% para 14% ao ano.

Veja também: