Contratadas 40 mil unidades da faixa 1.5 do MCMV

Durante encontro no Palácio do Planalto com representantes da indústria da construção civil, o governo anunciou o início da contratação de 40 mil novas moradias da faixa 1.5 do programa Minha Casa Minha Vida. A medida contemplará famílias com renda de até R$ 2.350, com possibilidade de subsídio de até R$ 45 mil e de financiamento de imóveis até R$ 135 mil. “A conclusão dessas obras, no menor tempo possível, é fundamental para que o país retome os trilhos do crescimento econômico e possa, com isso, garantir empregos e dignidade às famílias participantes do programa habitacional”, afirmou o ministro das Cidades, Bruno Araújo. A faixa 1.5 do Minha Casa Minha Vida receberá R$ 3,8 bilhões – desse total, R$ 1,4 bilhão virá por meio de subsídios (R$ 1,26 bilhão pelo FGTS e R$ 140 milhões pelo Tesouro Nacional) e R$ 2,4 bilhões virão por meio de financiamentos pelo FGTS.

Esquecida em 2016, faixa 1 do Minha Casa Minha Vida será retomada

Para a faixa 1, que atende os mais pobres, a meta do governo é contratar 100 mil novas moradias em 2017. Nessa faixa o governo custeia até 90% do valor do imóvel. Para esse público – famílias com renda mensal de até R$ 1,8 mil – o governo quase não contratou moradias em 2016.

Casa própria

Para atrair mais clientes, a Caixa Econômica Federal reduziu os juros e aumentou o limite de financiamento. Seguindo o corte de 0,25 ponto percentual ocorrido no fim de outubro na taxa básica (Selic), os juros do crédito imobiliário cairão para até 9,75% ao ano. Essa redução é aplicável aos clientes que optarem por financiar imóveis novos ou usados pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

No SBPE, a Caixa ainda diminuiu o limite mínimo de financiamento, de R$ 100 mil para R$ 80 mil. E mais: para os mutuários que aceitarem receber salários pela Caixa, a instituição ampliou o limite de financiamento de 80% para 90% do valor do imóvel.

Primavera: breve alívio para o setor imobiliário

Incorporadoras voltaram a lançar imóveis em bairros mais caros da Zona Sul de São Paulo

O mês de setembro foi o segundo melhor de 2016 para o setor imobiliário em São Paulo.De acordo com dados do Secovi-SP, foram vendidas 1.717 unidades na capital, número inferior apenas ao registrado em junho (2.097). Esse dado representa um acréscimo de 59,3% em relação a agosto (e de 23,3% na comparação com o mesmo mês em 2015). Nos lançamentos também foi registrada uma melhora: foram comercializadas 2.165 unidades, representando um aumento de 66,9% sobre o mesmo período de 2015. De acordo com o economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci, as incorporadoras voltaram a lançar imóveis com três ou quatro dormitórios e em bairros mais caros, como os das zonas Sul e Oeste. Mesmo com esse aumento recente, o acumulado entre janeiro e setembro de 2016 é o pior desde 2004.

CURTA

Incorporadoras na Bolsa: perda de R$ 1,9 bi

Dez incorporadoras listadas na BMF&Bovespa tiveram um prejuízo líquido de R$ 1,88 bilhão no terceiro trimestre de 2016, segundo dados compilados pela Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado. São elas: Cyrela, Direcional, Even, EzTec, Gafisa, MRV, PDG, Rodobens, Rossi e Tecnisa. Essas companhias tiveram um prejuízo consolidado de R$ 102 milhões no mesmo período de 2015.

Segundo corte de 0,25 na taxa Selic

Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do ano passado, o Banco Central reduziu os juros em 0,25 ponto percentual (o mesmo índice de corte ocorrido no fim de outubro) – e a taxa Selic foi para 13,75%. Devido ao quadro de recessão e desemprego no país, vários analistas consideravam que um corte maior, de 0,5 ponto percentual, seria mais adequado. Porém, o Banco Central decidiu pelo caminho da cautela, justificando que a inflação em serviços continua alta, os ajustes fiscais pouco avançaram e o cenário externo é de incertezas.

ERRATA

Prêmio PINI

Na edição 185, a lista de fornecedores publicada na página 32 na categoria Fios e Cabos Elétricos está incorreta. Na página 36, onde lê-se Porta de Madeira, a categoria correta é Porta Automática.

FIOS E CABOS ELÉTRICOS

PORTA AUTOMÁTICA

Veja também: