Como contratar: demolição controlada em projetos de retrofit

O cliente decide construir uma piscina onde existe um galpão. Ou precisa abrir um shaft para instalar um elevador. Ou vai tirar um pilar para ampliar o lobby de um hotel. Seja qual for a sua necessidade, é com o projeto arquitetônico na mão que se deve contratar uma empresa de demolição controlada para definir os conceitos técnicos da obra. “A gente planeja a demolição, o escoramento, e nosso projeto já sai com a orientação de por onde começar e como fazer a demolição”, esclarece o engenheiro civil Thomas Carmona, diretor de normalização técnica da Abece (Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural) e sócio da empresa de projetos Carmona Soluções de Engenharia. “Nossa vida é retrofit e, devido à recessão, atualmente estamos apagando incêndios. Então, é obra que teve um colapso, uma cobertura que caiu… Claro, a gente atende a tudo, mas esses tipos de problema o cliente tem de resolver de imediato, e não tem como fugir”.

Definida a estratégia – o que será preciso demolir e qual reforço projetar, se é com fibra de carbono, chapa colada ou aumento de seção, por exemplo -, vem o momento da demolição propriamente dita, que sempre dependerá do funcionamento da estrutura. “Em um hospital, por exemplo, normalmente você tem de fazer um escoramento primeiro antes de sair demolindo. Com exceção das lajes, os outros elementos precisam de escoramento”, orienta Carmona.

O próximo passo, a parte da obra em si, requer direção técnica, especialmente porque no Brasil ainda não existe normatização nesse ramo. Trocando em miúdos, o cliente só deve contratar uma empresa de demolição controlada que esteja cadastrada no Crea – ou que tenha um engenheiro responsável cadastrado no mesmo órgão. “É o diretor técnico da obra que vai usar os aspectos técnicos definidos no projeto para executar a demolição”, afirma o engenheiro Decio Rey. Sócio e diretor técnico da Teknicas Especiais de Engenharia, empresa com 28 anos no mercado, Rey é especialista nesse tipo de direção. “A gente tem bastante envolvimento nas obras de retrofit. Ou como contratados para fazer a reforma de retrofit ou como terceirizados num processo da obra, por exemplo, fazendo um reforço. E, para isso, eu preciso fazer a demolição controlada”, afirma. “O diretor técnico de uma obra de demolição controlada define o que vem primeiro: a hora que vai ser feita a demolição, se é preciso interditar a área, se o certo é fazer de manhã ou durante a madrugada, por exemplo”, orienta Rey.

Como a Teknicas Especiais não dispõe dos equipamentos, mas sim da expertise na execução dos projetos, Rey sempre consulta outras empresas que vendem ou alugam esses materiais. “Nós damos a direção técnica e eu fico no meio de campo, como um maestro, entre as empresas que fazem o projeto, as que trazem o equipamento e as de mão de obra”, diz Rey.

 CHECKLIST 

O QUE OBSERVAR NA HORA DE CONTRATAR UMA EMPRESA DE DEMOLIÇÃO CONTROLADA

 Como a demolição controlada no Brasil ainda não possui norma técnica, o cliente deve checar se a empresa é registrada no Crea ou se possui um engenheiro responsável registrado no órgão.

Apoio técnico Betina Fensterseifer / Nors Equipamentos

Por Gustavo Curcio e Lidice-Bá

Veja também: