Abramat espera um crescimento de 1,5% nas vendas de materiais de construção em 2018

A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Construção (Abramat) informou na última sexta feira (16) que o faturamento deflacionado das indústrias de materiais de construção caiu 0,7% em janeiro em relação ao mesmo mês do ano passado. Os empregos também diminuíram 3,7% na mesma base de comparação.

Ainda assim, de acordo com a entidade, a queda nas vendas no primeiro mês do ano foi menor do que a de dezembro de 2017 e não muda a projeção para 2018, que é de um crescimento de 1,5% em relação ao ano passado. “A recuperação do setor será de forma lenta e mais forte no varejo de materiais neste ano. A demanda do segmento de construção imobiliária deverá se intensificar no médio prazo, a partir do segundo semestre”, diz a Abramat.

Termômetro da entidade, aliás, mostra otimismo desse setor para os próximos meses, contrariando os dados de vendas negativos. Enquanto em janeiro 33% dos associados consideraram as vendas como ruins ou muito ruins, para o próximo mês a pesquisa aponta que apenas 20% dos empresários acreditam nesse cenário.

As expectativas no médio prazo explicam o motivo dessa perspectiva tão diferente. Em dezembro, 9% dos associados viam uma possibilidade de investimentos governamentais para o próximo ano, já em janeiro, esse número aumentou para 19%. Esse otimismo também traz consequências para o nível de utilização da capacidade instalada, que caiu apenas 1% de dezembro para janeiro.

A pretensão de investimentos pelas empresas no próximo ano diminuiu 3% de dezembro para janeiro, chegando a 67%. Apesar disso, comparado com janeiro de 2016, o resultado não é tão ruim. Vale lembrar que em 2017, apenas 48% dos associados planejavam investir nas próprias empresas nos 12 meses seguintes.

Por Gabriel Gameiro

Veja também: