Ademi/PR confirma Feira de Imóveis e Troféu 2018

A Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi/PR) confirmou a realização dos seus principais eventos para 2018. “Nossa atuação é voltada para a defesa dos direitos, promoção e profissionalização das empresas e profissionais do mercado imobiliário paranaense. Nesse ano, teremos uma agenda cheia nesse sentido, inclusive com cursos e palestras”, comenta o presidente da Ademi/PR, Jacirlei Soares Santos. A entidade congrega mais de 40 empresas entre construtoras, incorporadoras, imobiliárias, empresas de consórcio e fornecedores com atuação no Paraná.

Entre os eventos confirmados, está a 27ª edição da Feira de Imóveis do Paraná, que nesse ano terá um novo local: o Centro de Eventos do Sistema Fiep, no Jardim Botânico, em Curitiba, e vai acontecer de 15 a 19 de agosto, em parceria com o Sinduscon-PR. “Essa é a principal vitrine do mercado imobiliário no Estado e uma mostra tradicional, realizada interruptamente desde 1992, fazendo parte do calendário oficial de eventos de Curitiba”, ressalta Soares.

Na 27ª Feira de Imóveis do Paraná, serão apresentados diversos imóveis para venda em Curitiba e Região Metropolitana, residenciais e comerciais, novos e usa-dos, na planta em construção e prontos para morar. As opções devem incluir apartamentos, salas comerciais, conjuntos corporativos, casas e terrenos em condomínio fechado, lotes de terreno, apartamentos e casas na praia, que vão desde habitações enquadradas no Minha Casa Minha Vida até unidades de luxo.

Centro de Eventos do Sistema Fiep, em Curitiba: 27 edição do evento terá nova sede

A mostra também terá um espaço de serviços, possibilitando a simulação de financiamento imobiliário e a contratação de carta de crédito. O horário de funciona-mento do evento ainda não foi definido. Em 27 de novembro, será realizado o Troféu Incorporador do Ano 2018, no Salão Azul do Clube Curitibano, no Água Verde, em Curitiba. O evento, bianual, é realizado desde 1989 com a finalidade de estimular a excelência profissional, reconhecendo as empresas associadas que mais se destacaram no período pelas boas práticas corporativas empregadas no planejamento e na execução dos lançamentos imobiliários no Estado.

Homenageia ainda os profissionais que contribuíram para a valorização e desenvolvimento do setor e as obras icônicas, em 14 categorias. “Nossa previsão é de receber aproximadamente 400 convidados e, nesse ano, teremos uma novidade. Vamos apresentar o livro comemorativo rumo aos 40 anos da associação, fundada no fim da 1979”, anuncia o presidente da Ademi/PR.

Projeto de automação remota reduz 30% do gasto com insumos

Redução no consumo de gás e energia elétrica nas contas do condomínio e alta eficiência operacional através da automação foram fatores que influenciaram o projeto de retrofit do Condomínio Torres Empresariais do Ibirapuera, empreendimento comercial que abriga duas torres com 56 conjuntos comerciais cada, área total de 50 mil m², localizado no bairro de Moema na capital paulista.

O projeto de retrofit de automação foi desenvolvido pela E-vertical. O empreendimento, que possuía um sistema de automação parcialmente funcional, viabilizou o projeto de modernização e inclusão de equipamentos de automação, sensores, válvulas e uma nova lógica para aprimoramento da rotina de operação da automação, com ênfase no ar condicionado.

Após a conclusão, em abril de 2017, o empreendimento obteve uma redução nas contas de gás natural e de energia elétrica de mais de R$ 31 mil mensais, uma economia Projeto de automação remota reduz 30% do gasto com insumos de cerca de 30% no valor total das despesas com insumos de energia elétrica e gás natural. A economia média de consumo foi de cerca de 17 mil KW de energia e 17 mil m³ de gás natural mensais com payback simples. “Atingimos um excelente resultado por meio da inclusão de recursos de automação mais eficientes e modernos, aliada à operação remota de utilidades, tivemos condições de entregar o máximo de eficiência na rotina do condomínio, trazendo uma expressiva redução do consumo de energia e gás natural.”, afirma Brunno Freitas, gerente de produtos da E-vertical.

Projeto de retrofit apostou em sistema de automação para aumentar eficiência

O Condomínio Torres Empresariais do Ibirapuera possui certificação internacional LEED EB O&M (Operação e Manutenção para Prédios Existentes) de Nível Silver. A certificação foi concedida pelo USGBC (United States Green Building Council) que audita e certifica o desempenho em sustentabilidade e, a fim de alcançar o desempenho necessário, soluções e tecnologias sustentáveis são adotadas na operação e manutenção de um empreendimento existente. Desta forma, são minimizados os impactos causados no meio ambiente durante toda a vida útil da edificação.

“O condomínio, em linha com os conceitos da certificação LEED EB-O&M recém obtida, busca constantemente investir em novas tecnologias para aumentar a eficiência da operação. Uma das alternativas era o projeto de retrofit da automação e, por meio dele, pudemos gerar economia nos insumos e reduzir os desperdícios, aumentando de forma expressiva o nosso desempenho.”, explica Marcelo Junqueira, síndico profissional do Condomínio Torres Empresariais do Ibirapuera.

Os sistemas de utilidades prediais tais como iluminação, ar condicionado, geradores, água potável, ventilação, entre outros, são operados remotamente pela E-vertical 24 horas por sete dias da semana, interruptamente. “Com a solução de automação predial da E-vertical, o Torres Empresariais do Ibirapuera reafirmou sua posição de destaque em eficiência e hoje é um dos principais empreendimentos comerciais corporativos do Brasil”, conclui Junqueira.

Moradia em imóveis vazios e os impactos arquitetônicos

Estima-se que na capital paulista há, aproximadamente, 340 imóveis desocupados na região central que interessariam à administração municipal para que integrassem um programa social com o objetivo de transformá-los em moradia popular, tendo como contrapartida para os proprietários justamente desconto em dívidas de IPTU. “Resolver o problema da falta de moradia à população de baixa renda é um dos principais desafios da cidade. Hoje, infelizmente, há muitos moradores de rua e uma enorme quantidade de famílias vivendo em situação de extremo risco”, diz José Roberto Geraldine Junior, presidente do CAU/SP – Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo. Mas, para Geraldine, não basta apenas oferecer um teto a essas família. É indispensável também garantir condições mínimas de segurança a essa população. Para tanto, o presidente defende a participação de arqui-tetos e urbanistas no desenvolvimento de programas habitacionais voltados à população de baixa renda, por meio do trabalho de Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social (ATHIS). “Há um dispositivo para isso. A Lei 11.888 assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social. E o CAU destina 2% de suas receitas para essa questão”, lembra o dirigente.

Campus da Universidade do Havaí terá 100% de energia renovável

A Universidade do Havaí (UH) anunciou que seu campus em Maui College estará em breve entre os primeiros do país a gerar 100% de sua energia a partir de sistemas solares fotovoltaicos (PV) no local, juntamente com o armazenamento de baterias. O projeto faz parte de uma parceria com a Johnson Controls e a Pacific Current, que também permitirá que quatro campus universitários da UH em O’ahu reduzam significativamente o consumo de combustível fóssil.

O novo sistema de armazenamento PV do campus Maui College será capaz de eliminar o uso de energia baseada em combustível fóssil quando estiver em operação em 2019. Em O’ahu, por meio da combinação de toldos de proteção solar, armazenamento de energia distribuída e medidas de eficiência energética, Leeward Community College, Honolulu Community College, Kapi’olani Community College e Windward Community College reduzirão o uso de combustível fóssil para energia em 98%, 97%, 74% e 70%, respectivamente.

Vista aérea do sistema de captação de energia solar no campus do Maui College, no Havaí
Painéis solares serão responsáveis pela geração de energia. Até 2019, o sistema será autossuficiente, eliminando o uso de combustíveis fósseis

Em 2015, o Havaí tornou-se o primeiro estado dos Estados Unidos a assumir um compromisso sem precedentes para atingir 100% de energia renovável até 2045. Simultaneamente, a Universidade do Havaí e a Legislatura do Havaí estabeleceram uma meta coletiva para que o sistema universitário fosse Net Zero até 1º de janeiro de 2035, ou seja, o sistema produziria tanto energia renovável quanto consome em seus campus. Dos dez campus, o Maui College está pronto para ser o primeiro a suprir 100% de suas necessidades energéticas por meio de energia renovável. A parceria entre a UH, a Johnson Controls e a Pacific Current é a segunda fase de um projeto plurianual de eficiência energética e energia renovável. Na primeira fase, as medidas de eficiência energética foram implementadas com sucesso no campus Maui College da UH e nos campus das faculdades comunitárias de O’ahu sob contratos de desempenho energético concedidos à Johnson Controls em 2010. A fase dois inclui atualizações adicionais de eficiência energética e a instalação de painéis solares fotovoltaicos acoplados com armazenamento de bateria, permitindo que os cinco campus utilizem a energia gerada por fontes renováveis, conforme necessário. Os sistemas de armazenamento PV serão desenvolvidos pela Johnson Controls e de propriedade da Pacific Current, sediada no Havaí. Os upgrades de eficiência energética também reduzirão os pedi-dos de manutenção nesses campus em aproximadamente US$ 20 milhões.

Centro de Manutenção de Linha da LATAM Airlines Brasil

A construção pela Libercon Engenharia do mais moderno Centro de Manutenção de Linha (CML) da LATAM Airlines Brasil, no aeroporto Internacional de Guarulhos, apresenta inovações tecnológicas inéditas no país. O empreendimento é investimento da RB Capital, em contrato de locação pelo mode-lo build to suit, projetado de acordo com as especificações da companhia aérea.

No CML, durante os três turnos de trabalho, aproximadamente 360 funcionários realizarão as manutenções preventivas dos aviões, que acontecem entre cada voo. As manutenções periódicas previstas nos manuais das fabricantes, que demandam mais tempo e recursos, continuarão a ser feitas no centro de manutenções da companhia em São Carlos, interior de São Paulo.

O Pátio de Aeronaves terá as funções de circulação, testes e estacionamento para aeronaves. A pavimentação será em concreto, com espessura variando entre 22 e 30 cm, com área total de 32.979 m². Perfeito para atender simultaneamente sete aeronaves de dois corredores (wide body), como os Boeing 777, 767 e 787, e o novo modelo Airbus A350 ou até 19 aviões de um único corredor (narrow body) da família Airbus A320.

Maquete eletrônica do Centro de Manutenção de Linha da LATAM Airlines

Combate a incêndios
A área construída do CML será de 27 mil m² em terreno de 65 mil m². O hangar de 9,24 mil m² terá um excepcional vão livre de 78,20 m e pé-direito livre de 21,90 m. É construído com estrutura de concreto pré-moldado e cobertura metálica. O sistema de combate a incêndio é constituído por uma solução mista. Utiliza sprinklers no teto nas áreas críticas, além de um sistema complementar de es-puma de alta expansão na área do hangar. Esse sistema é integrado por 14 geradores de espuma responsáveis pela extinção de potenciais incêndios, por abafamento e resfriamento de líquidos combustíveis.

Barreira defletora
As barreiras defletora e acústica são fornecidas pela empresa portuguesa Valis Engenharia e serão instaladas pela Libercon. Ambas vão operar conjuntamente no CML da LATAM Airlines Brasil, condição denominada internacionalmente como Ground Run-up Enclosures (GRE). A barreira defletora terá a função de redirecionar os escoamentos do escape de motores para cima. Já a barreira acústica tem o objetivo de reduz ruídos.

A barreira defletora de sopro opaca, modelo HEL da Valis Engenharia, terá 50 m de comprimento e 9 m de altura. Os defletores são fabricados em aço de alta resistência, galvanizado a quente, para garantir a máxima durabilidade e resistência às altas temperaturas e velocidades dos escapes dos motores. São dota-dos de sistema de segurança (Jetblock®), que evita o descolamento das superfícies defletoras mesmo em casos de falha estrutural das ligações.

De acordo com Vasco Velez Grilo, sócio-gerente da Valis, o redireciona-mento dos fluidos de escape é feito com uma baixa perda de velocidade. Fator importante porque permite uma maior eficácia na dispersão dos fluxos, o que é fundamental para o correto funciona-mento dos motores das aeronaves. “Para garantir que os motores não sejam afeta-dos durante os testes estacionários, realizamos projetos aerodinâmicos em computador e ensaios físicos no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), em Lisboa”, informa.

Barreira acústica
A barreira acústica – marca Complage® – que será instalada no CML terá 88 m de comprimento e 17,5 m de altura. Os painéis são fabricados com a face frontal em alumínio distendido e com a caixa estrutural em aço. O seu interior é constituído por um material inerte e incombustível de alta densidade. O acabamento de superfície dos painéis é a termolacagem a pó de poliéster. A face absorvente dos painéis tem uma transparência variável, que maximiza a absorção de ruído enquanto minimiza a entrada de água e detritos. A Libercon Engenharia fará a montagem do sistema sobre suporte em aço estrutural galvanizado a quente.

13ª edição da Glass South America acontece entre os dias 9 e 12 de maio, no SP Expo

Evento mais importante do setor vidreiro traz lançamentos com especificações corretas para agregar mais valor em cada tipo de ambiente. A Glass South America reúne diversos expositores do setor de vidraçaria apresentando o que há de mais moderno nesse mercado.

Para os que procuram vidro seguro para fechamento de sacadas, a Blindex estará na feira para mostrar soluções completas de materiais temperados, com películas específicas, que garantem elegância, transparência e preservam a luminosidade do ambiente. Os interessados em testar e aprovar o produto, nesse mesmo estande é possível conferir demonstrações de quebras das placas de vidros com película de segurança para confirmar seu desempenho.

Pensando na integração dos ambientes na parte interna do projeto, os vidros pintados são ótimas opções. A PKO do Brasil trará como novidade um tipo de peça que pode ser personalizada com diferentes tonalidades e formas. Além disso, a empresa traz vidros coloridos para decoração nos tons branco, verde, cinza, bronze, incolor, azul e fumê.

Para projeto da fachada, o evento trará opções de vidro multilaminado, utilizado para fins acústicos e aplicado cada vez mais em situações onde se necessita um aumento da segurança, seja física ou patrimonial. O material também tem função antivandalismo, e evita ataques de intrusão.

A 13ª edição da Glass South America permitirá uma ampla visão de mercado, além de vidros seguros, evitando acidentes e manutenções desgastantes no futuro. O evento acontece entre os dias 09 e 12 de maio, no São Paulo Expo. Faça o seu credenciamento gratuito pelo site oficial do evento (www.glassexpo.com.br).

“A Glass é o evento mais importante do mercado, que apresenta as principais novas tecnologias e soluções. Nos últimos 10 anos, é a primeira vez que a Blindex terá um espaço próprio na feira. Por isso, investimos em um estande em formato ilha, totalmente aberto, para expor as novidades, que são muitas esse ano, e o Blindex Vip Lounge, área destinada à relacionamento com clientes e parceiros com toda comodidade que eles merecem”, comemora Glória Cardoso, Coordenadora de Marketing da marca.

SAIBA MAIS
13ª edição da Glass South America
Data: 9 a 12 de maio de 2018
Horário: Dias 9 as 11 das 12h00 às 19h00; Dia 12 das 10h00 às 17h00
Local: São Paulo Expo

Inadimplência no pagamento de condomínios em SP cai 33% dois anos após retomada

Com a retomada da economia, a inadimplência no pagamento de condomínios na cidade de São Paulo caiu 33,7% nos últimos dois anos. É o que aponta pesquisa realizada pela administradora Lello Condomínios, a maior do país, com base nas informações de 2,5 mil prédios de sua carteira.

No primeiro bimestre deste ano o índice médio de boletos não pagos após 60 dias da data do vencimento foi de 3,7% do total, contra 5,58% no mesmo período de 2016. Na comparação com os dois meses iniciais de 2017, quando a taxa de inadimplência foi de 4,48%, a queda é de 17,4% em um ano.

Além do aquecimento da economia e diminuição dos índices de desemprego, a queda da inadimplência no pagamento do condomínio também é fruto de uma nova legislação prevista no novo Código de Processo Penal, que tornou a cobrança judicial de cotas em atraso muito mais ágil do que era no passado.

Somente no último ano a Lello obteve um aumento de 15% no número de acordos amigáveis – sem necessidade de cobrança na Justiça – para quitação de cotas em atraso pelos moradores.

“A inadimplência é o principal fator de risco para a saúde financeira dos condomínios. Quando o condomínio não tem recursos, os cuidados com manutenção e valorização são os primeiros a serem esquecidos e o resultado prático e direto é a diminuição da qualidade de vida e a desvalorização do empreendimento”, afirma Angelica Arbex, gerente de Relacionamento com o Cliente da Lello Condomínios.

Ela observa que o atual índice médio de inadimplência em condomínios em São Paulo é mais baixo do que os verificados no pagamento de cartões de crédito de pessoas físicas.

Para ela, o síndico deve ter pulso firme no combate à inadimplência, mas cada caso é um caso, e a tentativa de diálogo deve prevalecer, sobretudo com aqueles condôminos que não são devedores crônicos, isto é, estão inadimplentes por questões pontuais. “Para os casos crônicos, a solução é a cobrança judicial”, afirma. No caso do Estado de São Paulo, uma lei estadual permite protestar os boletos em aberto, colocando, desta forma, o nome dos condôminos devedores em serviços de proteção ao crédito.

Veja também: