Confiança da construção tem pequeno recuo no mês de abril, segundo a FGV

Em abril, depois de oito meses em alta, o Índice de Confiança da Construção (ICST) variou -0,1 ponto em abril, totalizando 82 pontos. As informações foram divulgadas no último dia 26 pelo Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Para Ana Maria Castelo, Coordenadora de Projetos da Construção da FGV IBRE, o segundo trimestre do ano inicia com recuo do Índice de Expectativas (IE-CST), indicando que a incerteza do momento em que vive o País continua afetando o estado de ânimo dos empresários da construção. “Apesar disso, a percepção em relação à situação corrente dos negócios avançou. O destaque positivo veio do aumento na intenção dos empresários em contratar”, observa.

O indicador que mais impactou negativamente o IE-CST foi o que mede a tendência dos negócios para os próximos seis meses, com queda de 1,0 ponto para 93,4 pontos.

Já o Índice da Situação Atual (ISA-CST) subiu em abril, com variação de 0,3 ponto, atingindo 71,7 pontos, o maior desde junho de 2015 (74,2). O indicador que mais influenciou a melhora do ISA-CST foi o que mede a percepção sobre a situação atual das carteiras de contratos, que subiu 0,7 ponto, na margem, para 69,6 pontos. No ano, apesar do indicador ter avançado 2,3 pontos, ainda encontra-se 17,6 pontos abaixo da média histórica da série.

O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) do setor se manteve estável em abril. A pesquisa coletou informações de 679 empresas entre os dias 02 e 20 deste mês.

Por Gabriel Gameiro

Veja também:

ATENÇÃO ASSINANTES!

O acesso às edições mais recentes das revistas AU – Arquitetura e Urbanismo, Construção Mercado, Equipe de Obra, Infraestrutura Urbana e Téchne foi restabelecido em nossa plataforma digital.