Emprego na construção civil brasileira caiu 0,10% em fevereiro, segundo o SindusCon-SP

Com 2.362 demissões, o nível de emprego na construção civil brasileira caiu 0,10% em fevereiro na comparação com o mês anterior. Agora, o estoque de trabalhadores no setor está em 2.303.837 pessoas. Os dados são do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) e da Fundação Getulio Vargas (FGV), com base em informações do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE).

Na comparação com janeiro, registraram alta no emprego em fevereiro as regiões Sul (0,43%) e Centro-Oeste (0,42%). Já o Norte teve queda de -1,90%, seguido pelo Sudeste (-0,19%) e Nordeste (-0,03%). As maiores quedas do Sudeste aconteceram no Rio de Janeiro (-1,06%) e em São Paulo (-0,09%). Na região Norte, apenas Roraima (1,85%) e Amapá (0,28%) tiveram altas, os demais estados registraram queda no emprego.

No Nordeste, houve crescimento nos postos de trabalho em Alagoas (2,44%), Sergipe (1,47%), Pernambuco (0,28%), Ceará (0,24%), Bahia (0,20%) e Paraíba (0,02%). Na outra ponta, tiveram quedas Rio Grande do Norte (-1,95%), Piauí (-1,76%) e Maranhão (-1,52%). No Centro-Oeste todos os estados registraram elevação, o maior aconteceu no Mato Grosso do Sul (1,04%). Por fim, na região Sul a maior alta foi no Rio Grande do Sul (0,67%), seguido de Santa Catarina (0,48%) e Paraná (0,16%).

Para o presidente do SindusCon-SP, José Romeu Ferraz Neto, o dado mostra que o ritmo de atividade da construção segue bastante reduzido. “Isso mostra a persistência da retração nos investimentos de longo prazo, à espera de melhor previsibilidade em relação às perspectivas políticas e econômicas”, diz.

Em 12 meses, a queda nos empregos no setor é de 3,95%, sendo as maiores baixas em Imobiliário (-7,04%), Obras de acabamento (-5,41%) e Incorporação de imóveis (-4,42%).

Estado de São Paulo

O estado de São Paulo registrou em fevereiro uma retração de 0,09% no emprego em relação ao mês anterior. O estoque de trabalhadores foi de 642,4 mil em janeiro para 641,8 em fevereiro (-610). Em 12 meses são menos 34.623 trabalhadores no setor (-5,12%).

Na capital, responsável por 43,50% do total de empregos no setor, houve alteração mínima em fevereiro (-0,01%) em relação ao mês anterior (-22 vagas). Em 12 meses, São Paulo registra retração de 5,50% (-16.251 vagas).

Na comparação fevereiro contra janeiro a maior alta por segmento foi em Preparação de terreno (0,58%) e Incorporação de imóveis (0,36%). Registraram quedas Imobiliário (-0,41%) e Infraestrutura (-0,32%).

Por Gabriel Gameiro

Veja também:

ATENÇÃO ASSINANTES!

O acesso às edições mais recentes das revistas AU – Arquitetura e Urbanismo, Construção Mercado, Equipe de Obra, Infraestrutura Urbana e Téchne foi restabelecido em nossa plataforma digital.