Otimismo marca início do ano no cenário gaúcho

Por Pedro Zuccolotto

Porto Alegre concentra cerca de 1,4 milhão de pessoas, segundo o senso do IBGE de 2017. No mês de março, de acordo com o Sindicato das Indústrias da Construção Civil no Estado do Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS), foram negociadas 393 unidades de imóveis na cidade, registrando um crescimento de 173% em relação a fevereiro. Em relação ao ano anterior, houve um aumento de 0,28%.

O estoque atual de imóveis na cidade é de 3.831 unidades, distribuídas em 162 empreendimentos. Os tipos de unidades mais vendidos foram os apartamentos com dois dormitórios (54,71%), seguidos por unidades com três dormitórios (34,10%) e salas/conjuntos (4,33%). Os bairros que apresentam o maior número de vendas são Jardim Lindóia (com 124 unidades), Teresópolis (com 91 unidades) e Rubem Berta (com 25 unidades).

Ainda segundo o Sinduscon-RS, houve um aumento do Custo Unitário Básico (CUB). De janeiro para abril, o valor do CUB de todos os tipos de projeto registrou aumento. As residências unifamiliares de padrão normal de acabamento, por exemplo, subiram aproximadamente 0,80%.

De acordo com o índice FipeZap, aferido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Porto Alegre registrou uma baixa de 0,07% no preço dos imóveis no mês de janeiro em relação ao mês anterior. Em comparação aos últimos 12 meses, representa uma variação negativa de 0,22%. Em levantamento do Sindicato da Habitação do RS (Secovi-RS) no mês de fevereiro, os imóveis residenciais usados mais caros se encontravam em Bela Vista (com o metro quadrado custando em média R$ 6.802), enquanto os mais baratos estavam em Restinga (por R$ 2.464 o metro quadrado).

Também foi divulgado pela Fipe que, nesse último trimestre, os preços do aluguel dos imóveis na capital gaúcha tiveram uma queda real de 0,37% (com um avanço nominal de 0,33% e inflação de 0,70%). Assim, o valor médio do metro quadrado para o aluguel ficou em R$ 21,10 em março, sendo a média nacional de R$ 28,38, liderada por São Paulo e Rio de Janeiro.

Em relação aos salários médios do  setor da construção civil, foi registrada em abril uma diminuição nos valores em relação ao mês anterior, segundo o relatório do Sinduscon-RS. As categorias que tiveram a variação negativa foram a de mestre de obras (média de -4,78%), carpinteiro (-0,28%), eletricista oficial (-0,27%) e engenheiro (-0,75%). Já as categorias que tiveram variação positiva foram ferreiro armador (0,14%), eletricista ajudante (0,18%), instalador hidráulico oficial (0,53%) e meio oficial (0,17%). Nas categorias de pedreiro, servente, pintor, apontador, eletricista meio oficial e instalador hidráulico ajudante não houve variação.

Alta nas vendas

A alta específica de março está relacionada  à realização do Mês das Construtoras, organizado pela Colnaghi Imóveis. A empresa convidou diversas construtoras, como Astir, CFL, Doblewê e Rio Novo, para participar de uma venda com valores abaixo da tabela dos imóveis de Porto Alegre, em antecipação à alta do preço prevista para o próximo trimestre. Em uma entrevista à revista Exame, o fundador da Colnaghi Imóveis, Paulo Colnaghi, afirmou que o mercado imobiliário passará por uma retomada forte e por isso o momento de negociar preços mais baixos é agora.

Entre as construtoras de destaque no cenário gaúcho está a Melnick Even, que fechou 2017, um ano conturbado na economia brasileira, com um lucro líquido de R$ 55 milhões. Em 2017, a companhia ganhou o reconhecimento de Empresa do Ano do Sinduscon Premium. A construtora abriu o ano com o lançamento do empreendimento Linked, situado no bairro Teresópolis. Foi usado um VGV de R$ 105 milhões para uma torre comercial e uma residencial com 314 unidades, além de um shopping, um supermercado e um hub de saúde do Hospital Moinhos de Vento. Em apenas 30 dias, 95% das unidades foram vendidas.

Segundo Juliano Melnick, diretor da empresa, mesmo com todas as dificuldades impostas pelo lento cenário de recuperação da economia brasileira, foi possível manter uma rotina saudável na  empresa. Isso possibilitou a manutenção da atividade da companhia a níveis semelhantes ao do período que antecedeu a crise. “Investimos pesado e tivemos uma excepcional expansão de nosso landbank. Neste ano já tivemos um Melnick Even Day — evento acelerador de vendas promovido pela construtora —, com resultados acima da expectativa, e vamos torcer para que a prefeitura consiga aprovar mais projetos em 2018, pois tivemos um ótimo resultado de vendas nos lançamentos do ano passado”, afirma.

Positividade

Em meio a esse cenário de recuperação, foi constatado um aumento no otimismo em relação ao mercado imobiliário, batendo recorde em Porto Alegre. Esses dados foram obtidos a partir do Índice de Expectativa do Mercado Imobiliário (Iemi), calculado pela Alphaplan Inteligência em Pesquisas.

O levantamento apontou o Iemi de 121 pontos. Em março de 2017, este índice era de 107,5 pontos. A alta se deve principal-mente à positividade dos corretores e das imobiliárias, porém entre consumidores há um descontentamento.

Em abril, a Caixa Econômica Federal reduziu de juros para financiamento da casa própria, o que contribuiu para alavancar o setor imobiliário também em solo gaúcho. O presidente da Caixa, Nelson Antônio de Souza, afirmou em nota que a redução das taxas de juros facilita o acesso à casa própria e contribui para estimular o mercado imobiliário. Além disso, o banco possui R$ 82,1 bilhões para crédito habitacional em 2018.

Em maio deste ano, a OLX entrou no mercado imobiliário do Rio Grande do Sul. A plataforma conta hoje com 130.000 imóveis cadastrados. Além de anunciar, o site oferece informações da região do imóvel para o consumidor, como transportes e infraestrutura comercial.

 

ATENÇÃO ASSINANTES!

O acesso às edições mais recentes das revistas AU – Arquitetura e Urbanismo, Construção Mercado, Equipe de Obra, Infraestrutura Urbana e Téchne foi restabelecido em nossa plataforma digital.